A utilização de expressões genéricas na caracterização dos produtos como ‘amigo do ambiente’, ‘natural’, ‘ecológico’, ‘biodegradável’, ou ‘ambientalmente neutro’, vai deixar de ser permitida, a não ser nos casos em que for devidamente demonstrada.

A rotulagem sustentável não certificada, incentivos ao consumidor para substituição de consumíveis antes de prazo, alegações sobre possibilidade de reparação do produto quando não é o caso, ou menções a produtos com impacto ambiental neutro, reduzido ou positivo, associado à compensação de emissões carbónicas, são outros exemplos de práticas a abolir à luz das novas regras em preparação na UE.
 

Novo quadro regulatório europeu ‘ESG e Finanças Sustentáveis’

Estas medidas fazem parte de um quadro regulatório mais vasto, integrado na estratégia europeia para a sustentabilidade, que vai ditar a nova forma como as empresas vão passar a relacionar-se em termos de mercado.

Não abrangendo numa primeira fase todas as empresas, a transição ESG é inevitável para todas as PME que queiram salvaguardar vantagens competitivas no contexto do mercado global.
 
Consulte aqui o espaço de conhecimento IAPMEI sobre o tema e fique a compreender melhor o complexo quadro regulamentar associado às Finanças Sustentáveis.

– –
Fonte:
https://www.iapmei.pt/NOTICIAS/Transicao-ESG-UE-prepara-novas-regras-de-combate.aspx

Consultar a fonte