O projeto PhotoSupCatal, desenvolveu um sistema capaz de remover contaminantes químicos e biológicos das águas residuais domésticas, de maneira a proteger os ecossistemas e tentar obter uma água que possa ser reutilizável.

Com apoio de fundos europeus, através do Programa COMPETE 2020, o projeto tem a participação de nove investigadores da FCTUC e é coordenado pela Adventech, uma empresa de São João da Madeira especializada no desenvolvimento e construção de ETAR e sistemas de tratamento de emissões gasosas.

O objetivo da equipa de cientistas da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) foi “eliminar contaminantes de preocupação emergente de maneira a proteger os ecossistemas e tentar obter uma água que possa ser reutilizável”, por exemplo, na irrigação de culturas agrícolas.

“Além dos compostos químicos, os investigadores avaliaram também a possibilidade de desinfeção. Mais concretamente, verificaram qual o impacto que este processo tem na bactéria Escherichia coli e os resultados são promissores”, adiantou a FCTUC em comunicado.

É que, apesar de as águas residuais domésticas passarem pelos tratamentos biológicos habituais, ainda não são tidos em conta alguns compostos químicos poluentes que estão a surgir nas águas e que advêm do consumo humano, como é o caso de produtos cosméticos e farmacêuticos. “Estes produtos libertam para as águas residuais moléculas que aparecem em concentrações muito pequenas, mas que, devido à sua complexidade”, não é possível tratar por via biológica, “o processo mais comum nas estações de tratamento de águas residuais (ETAR) municipais”, referiu o Centro de Investigação em Engenharia dos Processos Químicos e dos Produtos da Floresta.

Este processo de tratamento é de fotocatálise, com recurso a um catalisador que é ativado pela luz. Com essa ativação, há produção de radicais, que são compostos muito instáveis e reativos, que vão degradar os compostos orgânicos, e neste processo, será utilizada a energia solar como fonte de radiação, uma vez que tem um baixo custo.

A equipa da FCTUC desenvolveu “um sistema catalítico sustentado com suportes à base de polímeros, nomeadamente PDMS e polianilina”. “Os resultados mostram-nos que estes catalisadores conseguem degradar eficientemente os contaminantes orgânicos que estão em teste e que são estáveis para vários testes de reutilização”.

A equipa prevê que o projeto venha a ter impacto na indústria, ao disponibilizar uma tecnologia de baixo custo para refinar a qualidade da água tratada, permitindo a sua reutilização.

Fonte: FCTUC

– –
Fonte:


Consultar a fonte